PT | EN

OG Medical redesenha o setor da saúde com tecnologia para melhorar a vida dos utentes

Breve%202
A OG Medical nasce em 2013 e afirma-se, atualmente, como um dos nomes mais promissores no setor da saúde. A startup dedica-se à construção de soluções e equipamentos médicos capazes de otimizar os processos clínicos, que vão desde a informatização dos dados dos utentes, à administração de medicação e à telemedicina, com recurso a tecnologias de ponta. Ana Cristina Gonçalves, empresária associada da ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários, fundou o projeto juntamente com Sandro Pinto e explica a principal missão da OG Medical no mercado.
 
Quando surgiu a OG Medical e quais os motivos que levaram à criação da empresa?
A OG Medical surgiu em novembro de 2013, resultado de uma reflexão transversal de dois dos seus impulsionadores, cujo espírito empreendedor e formação em Gestão e Administração de Empresas geraram as condições essenciais para a visão estratégica do negócio, orientada para o setor da Saúde. O projeto apresentou-se durante um ano como ideia de negócio na Outglocal Consulting, empresa de que ambos somos cofundadores. Após este primeiro ano e ao atingir um estado de maturidade da ideia, preparámos o arranque e iniciámos a atividade da empresa OG Medical com o apoio incondicional da empresa FFonseca SA, sócia maioritária da empresa. 
 
Qual é a principal missão do projeto?
A missão da OG Medical é comercializar produtos e serviços para atender às necessidades dos nossos clientes, no setor Hospitalar Público e Privado e, mais recentemente, em cooperação com cuidadores de saúde ao domicílio. Assumimos o compromisso de encaminhar com imparcialidade a identificação, o incitamento, o estímulo e a consolidação das melhores soluções associadas a tecnologias médicas inovadoras que suportem a digitalização dos processos clínicos do paciente visando o seu aperfeiçoamento e modernização. Através do e-Health, possibilitamos uma ação preventiva com a monitorização dos dados mais relevantes. Tudo isto permite uma melhoria da qualidade de vida e do estado de saúde da população. 
 
Em que medida as soluções digitais da OG Medical para a área da saúde são impactantes?
A OG Medical tem como objetivo acrescentar valor ao setor da saúde. Apresentamos métodos e equipamentos inovadores que possibilitam a informatização da informação clínica e terapêutica de forma eficiente, aumentando a fiabilidade dos registos efetuados e centralizando essa mesma informação onde e quando for necessária. Acreditamos, por isso, que as nossas soluções aportam benefícios ao desempenho dos profissionais de saúde e se traduzem numa melhoria significativa da qualidade de vida dos portugueses. 
 
Quais as problemáticas que a empresa permite resolver?
Os sistemas de saúde em Portugal ainda se baseiam muito no papel e nos métodos de dispensação de medicação tradicionais, que podem deixar margem para erros. A finalidade dos nossos equipamentos é precisamente eliminar o erro associado a estas práticas. Estes instrumentos permitem otimizar o registo clínico, a segurança na administração de medicação e terapêutica e a redução significativa da infeção hospitalar, recorrendo a equipamentos desenhados e certificados para uma correta e eficaz desinfeção. A monitorização contínua dos pacientes permite uma ação imediata sobre qualquer irregularidade detetada, aumentando assim exponencialmente a capacidade de sermos socorridos a tempo de evitar mazelas.
 
Quais consideram ser os principais fatores de diferenciação da OG Medical?
O serviço personalizado e a inovação constante na tecnologia apresentada são as nossas marcas de diferenciação. Trabalhamos diariamente em cada equipamento ou projeto junto dos nossos clientes para que, na altura em que é feita a aquisição, o cliente valide o equipamento e todas as mais-valias técnicas que irá trazer ao desempenho das tarefas e às suas necessidades. Também procuramos demonstrar junto dos hospitais, in loco, que a aquisição das nossas soluções vai de encontro às suas políticas de redução de custos e da despesa global em saúde. Na lista de fatores distintivos está também o recurso às nossas soluções como um caminho para otimizar processos clínicos e, consequentemente, o aumento do tempo disponível dos profissionais de saúde para se dedicarem aos seus utentes.
 
Como descrevem a evolução do projeto no passado recente? 
Aquando da criação do projeto, foram efetuados contactos diretos em todas as instituições para que o nome OG Medical começasse a ser uma referência no mercado dos dispositivos. Havia a necessidade de explicar quem éramos, o que fazíamos, de onde vínhamos e que soluções tínhamos. Hoje o nome OG Medical é conhecido nas instituições hospitalares mais importantes. O processo de teste e demonstração de produtos reduziu consideravelmente à medida que fomos ganhando a confiança dos nossos clientes. 
 
Como descrevem o crescimento financeiro do negócio? Podem revelar alguns valores de faturação associados ao ano de 2018? Que previsão fazem para 2019?
Acreditamos que vamos terminar 2018 com o triplo das vendas de 2017. Para 2019 é estimado um aumento significativo, quer em vendas quer no crescimento da nossa equipa, tendo por base a obtenção da meta dos 500 mil euros de faturação.   
 
 
Soluções do bloco operatório aos cuidados intensivos e com olhos postos na Telemedicina
 
A abrangência é uma das características diferenciadoras da OG Medical, ao oferecer soluções e equipamentos que impactam positivamente os vários setores hospitalares. Desde a disposição de computadores certificados para a utilização no bloco operatório e nas unidades de cuidados intensivos, passando pela mobilidade de registo clínico e o investimento em inovações como a Telemedicina e a telemonitorização, a OG Medical quer simplificar e melhorar processos hospitalares, reduzindo custos e otimizando a gestão do tempo dos profissionais de saúde.
 
Podem dar exemplos de processos clínicos que possam ser melhorados com soluções OG Medical nos diferentes setores? 
Dispomos de computadores medicamente certificados, ideais para uso em Bloco Operatório e Unidades de Cuidados Intensivos pela sua modularidade na recolha de dados provenientes dos equipamentos de suporte vida. São exemplos os ventiladores e as mesas de anestesia, que permitem reunir a informação vital para uma tomada de decisão rápida nos momentos mais críticos. Complementarmente temos equipamentos laváveis e higienizáveis, fator de extrema importância para o controlo de infeções. Destacamos também soluções de mobilidade de registo clínico: os profissionais de saúde podem abrir ou atualizar o registo clínico eletrónico do paciente junto à sua cabeceira, enquanto lhe prestam cuidados de saúde ou administram medicação.
 
Estão também a apostar na telemedicina?
Recentemente temos vindo a investir no mercado da Telemedicina e Telemonitorização, orientando as nossas tecnologias para quebrar a barreiras físicas dos hospitais na prestação de serviços de saúde e monitorização dos pacientes. Estamos convictos de que, com os novos sistemas de monitorização cardíaca sem fios ou os novos Healthwatch (com monitorização e localização geográfica), poderemos melhorar significativamente o dia-a-dia da população e proporcionar uma vida normal. Tudo isto com a certeza de que todos os parâmetros são constantemente analisados e enviados para a instituição de saúde. Estes métodos fazem com que quaisquer valores anormais sejam imediatamente analisados, facto que permite precaver eventuais problemas. 
 
 
Grupo Lusíadas Saúde, Hospital de S. João e IPO Porto constam na carteira de clientes
Com o nome já consolidado no mercado, a OG Medical conta com uma carteira de clientes de referência na área da saúde. “Entre os nossos clientes estão o Grupo Lusíadas Saúde, o Grupo Luz Saúde, o Grupo José de Mello Saúde, o CHUC, o IPO do Porto, o Centro Hospitalar do Baixo Vouga, o Hospital de S. João, alguns parceiros como Iberdata, Normática, B-Simple, entre outros”, revela Ana Cristina Gonçalves.
 
 
Suíça é o primeiro mercado externo a conquistar
A internacionalização é uma opção relevante para a OG Medical e a startup já deu os primeiros passos na sua direção, levando o negócio até à Suiça. “Estamos a entrar no mercado da Suíça na área da Telemonitorização, orientada para o cuidado sénior e domiciliário”, afirma Ana Cristina Gonçalves, cofundadora do projeto. “As necessidades do mercado e a filosofia inovadora uniram a DOREA à OG Medical nos campos de fornecimento, marketing de dispositivos e serviços médicos, num país com um mercado muito exigente”, complementa a responsável.
 
22.11.2018