PT | EN

SendEAT traz comida do restaurante a casa em 33 minutos

Destaque
Abre o site ou desbloqueia o smartphone, escolhe a sua opção preferencial e pode seguir o trajeto da sua refeição on time enquanto espera confortavelmente em casa. Esta é a realidade cómoda que a SendEAT possibilita, com tempo médio de viagem entre o restaurante e a morada registada de 33 minutos e uma oferta gastronómica que vai desde o tradicional até ao sushi ou italiano. Com mais de 230 parceiros e um crescimento exponencial nos últimos 12 meses, a SendEAT pedala no Porto e em Lisboa e prevê um 2018 de crescimento, com a expansão para oito novas cidades portuguesas e o arranque de atividade fora de portas. Conheça melhor o projeto da rede LINC – Centros de Incubação e Aceleração da ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários pelas palavras de José Gramaxo, CEO e fundador da SendEAT.
 
Quais as circunstâncias que levaram a criar a SendEAT? Com que objetivos?
 
 
A SendEAT nasce pelas mãos de dois amigos, outrora expatriados e descontentes com as soluções de entrega de refeições existentes no mercado nacional sempre que voltavam a casa. Juntos pesquisaram e criaram o serviço SendEAT, a solução autónoma e rápida que proporciona uma experiência mais simples e transparente para o cliente final. A SendEAT é, neste momento, sinónimo de um serviço de entregas rápidas e transparente mantendo o estado de conservação da comida.
 
Quais os principais obstáculos que encontraram ao implementar o conceito no mercado?
 
Ao iniciar operações em setembro de 2016 fomos confrontados com dois grandes obstáculos. Um do lado da oferta e outro do lado da procura, que tinham em comum um problema. Era necessário criar e dar a conhecer a marca aos nossos stakeholders. O mercado não estava credibilizado. Tanto os restaurantes como os consumidores viam este serviço como um “last resource”. Foi um grande desafio a educação destes dois intervenientes, mas através de persistência comercial e o trabalho de marketing começámos a expandir a nossa rede de parceiros e utilizadores. Neste momento contamos com uma rede de mais de 200 restaurantes parceiros, no Porto e em Lisboa, e de mais de dez mil utilizadores.
 
O que diferencia o vosso serviço de entregas dos restantes serviços do mercado?
 
A SendEAT distingue-se por ser uma empresa de base tecnológica que todos os dias tenta automatizar mais, para que os processos sejam mais simples e rápidos (em média 33 minutos) e possa receber a sua refeição em casa. Também nos adaptamos ao mercado português, aceitamos o método de pagamento mais comum em Portugal (multibanco na entrega) e temos um call center que permite oferecer “on-demand” uma solução de “Delivery Assurance” aos nossos clientes.
 
Como caracterizam a evolução da SendEAT até aos dias de hoje?
 
Crescemos de 14 para 230 parceiros ou seja 1600%. Crescemos 4000% em encomendas entre setembro de 2016 e setembro de 2017. Foi um crescimento fantástico, que nos permitiu provar uma nova tendência de consumo na restauração em Portugal. A entrada de novos players em Lisboa é uma reconfirmação desta tendência. Esperamos que 2018 seja um ano com números de crescimento ainda maiores.
 
Breve1
Qual tem sido o feedback dos utilizadores do serviço? Quais os benefícios e os problemas que apontam ao modelo de entrega das refeições?
 
Durante os últimos 14 meses de operação temos obtido feedback muito positivo dos nossos clientes. Este facto pode ser comprovado pelo rating de 4,7 obtido no Facebook, métrica complicada para uma empresa de entrega de comida ao domicílio, e pela nossa taxa de retenção de clientes que se encontra quase nos 70%. O grande benefício de entrega de comida ao domicílio é a comodidade e nós acrescentamos a vertente tecnológica para transmitir transparência e criar consistência no serviço.
 
Atualmente, contam já com mais de 200 parcerias fechadas com restaurantes. Como concretizaram este processo? Foi difícil alcançarem os acordos?
 
Foi um processo que custou. Batemos a muitas portas durante os últimos 12 meses e já nos reunimos com que cerca de 1000 restaurantes. Muitos deles recusaram entrar no primeiro contacto e tomam agora a iniciativa e contactam-nos de modo a entrar na plataforma. 
 
Como vê a SendEAT daqui a cinco anos?
 
Dentro de cinco anos, vejo a SendEAT como uma empresa internacional e diversificada.
 
Qual a postura da SendEAT relativamente à entrada de investidores no projeto? Têm alvos definidos e estão ativamente à procura de capital?
 
Estamos sempre à procura de novas oportunidades, não só para fazer crescer o projeto atual, mas para nos ajudar a escalar novos projetos integrados no project scope: SendEAT.
 
Visibilidade e rentabilidade são atrativos para os parceiros SendEAT 
 
O processo de negociação não foi fácil, mas a SendEAT já obteve o “Sim” de mais de 230 restaurantes. Quais serão os benefícios que os parceiros da startup tecnológica colhem em associar-se ao serviço de entregas? O fundador e CEO do projeto, José Gramaxo, explica abaixo. 
 
Breve2
Quais são as vantagens de se ser um parceiro SendEAT?
 
Existem dois grandes motivos para aderir ao serviço da SendEAT. Em primeiro lugar, temos uma plataforma que reúne milhares de visitas diariamente e a visibilidade para o restaurante é um ponto importante. O segundo benefício é que oferecemos gratuitamente uma solução de entregas fiáveis para o restaurante, onde apenas terá um custo variável caso venda, pelo que não existe qualquer risco financeiro ao entrar na plataforma. 
 
Um restaurante ao aderir ao serviço da SendEAT tem ainda oportunidade de abranger a nossa rede de clientes e também fidelizar ainda mais os seus clientes in-house oferecendo-lhes, via SendEAT, um serviço de entregas fiáveis ao domicílio. O custo de produção de uma refeição extra, considerando a exceção de um volume extraordinário de encomendas, não fará com que um restaurante tenha de aumentar o seu staff de cozinha, mas fará com que o staff existente consiga fazer mais refeições e seja, por isso, mais rentabilizado. Isto para não falar do aumento da capacidade do restaurante, que não estará apenas limitado ao número de mesas que tem na sua sala.

SendEAT prevê expansão para oito cidades e arranque internacional em 2018
 
Sobre o futuro da SendEAT, José Gramaxo (CEO e fundador do projeto) adianta: “Temos um super projeto que estamos neste momento a desenvolver para começar a testar em 2018”. “Neste momento, o projeto está em fase de desenvolvimento tecnológico e logístico. Em relação à atual plataforma tentaremos sempre oferecer aos nossos clientes o maior número de escolhas com a fiabilidade e transparência de entrega que nos caracteriza”, complementa o responsável.
 
O próximo ano será ainda de particular importância para o desenvolvimento do volume de negócios da SendEAT. José Gramaxo partilha os planos da startup: “Neste momento estamos a operar no Porto e em Lisboa e temos um grande objetivo para 2018: iniciar operações em mais oito cidades a nível nacional e também abrir atividade internacional”.
 
BI DO EMPREENDEDOR
 
José Luis Gramaxo, 26 anos, é o CEO da SendEAT. Após ter estudado Gestão em Inglaterra na universidade de De Montfort, em Leicester, tirou um mestrado em gestão internacional na IE Business School. Conta com quatro anos de experiência de trabalho enquanto consultor na Deloitte e trader na Neumann Kaffee Gruppe.
 
Tiago Oliveira, 33 anos, é o CTO do projeto, após ter fundado e vendido a Dot2Web. Trabalhou em diversos setores desde banca até indústria - educação em tecnologia e gestão.
 
Francisco Trindade, 29 anos, é Head of Growth da SendEAT e estudou Gestão na Universidade Catolica do Porto. Francisco aventurou-se a trabalhar em diversas ventures da Rocket Internet em Africa
 
22.12.2017