PT | EN

Heptasense: inteligência artificial para garantir a segurança e boas decisões na gestão

Destaque
Uma falha no mercado da segurança ditou o clique na mente de Ricardo Santos e Mauro Peixe para criarem uma empresa focada em soluções de segurança diferenciadas: a Heptasense. Fundada em 2017, a startup tecnológica finalista do 19º Prémio do Jovem Empreendedor da ANJE desenvolveu vários produtos que apostam na análise comportamental de pessoas através de câmaras de videovigilância, permitindo antecipar ameaças de segurança e detetar padrões de comportamentos úteis aos gestores nos espaços públicos. Ricardo Santos, Diretor Executivo da Heptasense, explica as “dores” do mercado subjacentes à criação dos produtos Heptasense e partilha o trajeto de crescimento e afirmação da startup que, em apenas em 12 meses, já atingiu os seis dígitos de faturação e está a negociar uma ronda de financiamento.
 
Quando e como surgiu a Heptasense?
 
O projeto Heptasense começou em 2016, quando Ricardo Santos e Mauro Peixe, que se conheceram no Instituto Superior Técnico, acabaram a faculdade e decidiram fazer equipa. Após um ano de desenvolvimento do projeto junto de potenciais clientes, fundaram a Heptasense em 2017.
 
Quais as circunstâncias que motivaram a criação do projeto? Com que objetivos?
 
Vimos uma falha muito grande no mercado da segurança. O Mauro, que trabalhou num banco na área de IT, testemunhou a incapacidade real dos sistemas de videovigilância para assegurarem a segurança dos espaços. A Heptasense surgiu com o objetivo de aumentar a capacidade de resposta dos serviços de segurança na deteção de ameaças para, dessa forma, acabar com roubos, assaltos ou outras situações de risco.
 
Em que medida a Heptasense foi pioneira no mercado? Quais os fatores de diferenciação que acrescentam valor às soluções de segurança e análise comportamental que já existiam?
 
Atualmente, e desde sempre, os sistemas de videovigilância consistem numa pessoa a olhar para dezenas de ecrãs simultaneamente (em 98% dos casos a pessoa nem existe). Segundo um estudo da Accenture, um segurança que passe 20 minutos no seu trabalho fica, posteriormente, com um défice de atenção de 5%, pondo em risco a segurança do local. Não existe nenhuma solução no mercado que consiga identificar comportamentos suspeitos de forma a auxiliar estes profissionais. As únicas soluções existentes passam pela execução de análises simples como contar pessoas, analisar os percursos feitos ou detetar algum objeto em específico.
 
Qual ou quais são os targets de mercado da Heptasense? De que forma cada um dos perfis traçados pode extrair valor da solução desenvolvida?
 
O nosso target é a segurança, seja ela em retalho, bancos, aeroportos ou indústria, pois todos eles sofrem do mesmo tipo de problema (falha de segurança), embora com diferentes níveis (assaltos, roubos, terrorismo, transporte ilegal). A Heptasense vem automatizar o processo de identificação de ameaças para alertar as autoridades competentes em tempo real. Para o retalho, a Heptasense complementa a solução com analytics úteis para Business Intelligence, tais como a análise de idades, géneros, percursos e interação com produtos. Tudo isto numa única plataforma.
 
Como descrevem a vossa evolução/crescimento desde a criação da startup? Podem revelar alguns indicadores de desempenho?
 
A Heptasense tem trabalhado com empresas de grande relevo nas áreas de retalho, banca, segurança em aeroportos ou indústria, tendo fechado contratos que construíram já uma faturação de seis dígitos no primeiro ano de atividade.
 
Heptasense_product
A Heptasense é uma empresa internacional desde o primeiro dia? Em caso afirmativo, quais os mercados com que já trabalham?
 
Sim. Os nossos clientes estão em Portugal, Espanha, Alemanha, Áustria e Reino Unido e distribuem-se por diferentes mercados: indústria farmacêutica, indústria automóvel, segurança em aeroportos, retalho de alimentar e retalho de hardware.
 
Quais os objetivos traçados pela Heptasense para o futuro a curto prazo? E a longo prazo?
 
A curto prazo, a Heptasense pretende criar raízes nos vários verticais - bancos, aeroportos, indústria e retalho – para escalar posteriormente dentro desses mercados. Essa expansão já se verifica no retalho e na indústria. A longo prazo, a Heptasense pretende ser uma referência em segurança e colmatar muitas das falhas que existem nos dias de hoje, com o objetivo de salvar vidas e mercadorias.
 
Qual a postura da Heptasense face à entrada de investidores na empresa? Estão ativamente à procura de financiamento ou têm outras prioridades no momento atual?
 
Após um ano a tornar a empresa sustentável, com uma equipa maior, um produto no mercado e com clientes, estamos já a negociar uma ronda de financiamento que irá levar a empresa para outro patamar.
 
Quais os principais prémios em que já foram distinguidos?
 
A Heptasense foi honrada com a vitória no BET24 (2017) e no Prémio EmpreendedorXXI (2018), tendo ainda sido um dos finalistas do 19º Prémio do Jovem Empreendedor da ANJE (2017).
 

GESTURE, FACE E CROWD SÃO OS TRÊS PRODUTOS-CHAVE DA HEPTASENSE

 
A análise comportamental através de câmaras de vigilância é a proposta de valor base do software desenvolvido pela Heptasense. A startup estrutura, atualmente, a sua oferta em três produtos-chave, variando apenas os dados e os objetivos envolvidos em cada processo de análise requisitado pelos clientes. Gesture, Face e Crowd são as três variações do software que permitem detetar ameaças de segurança e padrões de comportamento nos mais diversos locais.
 
A Heptasense trabalha com três produtos principais - Gesture, Face e Crowd. Qual a ordem de criação destes produtos? Há uma aposta mais vincada em alguma destas três ofertas? Porquê?
 
Os produtos Heptasense convergem todos no mesmo: a análise comportamental a partir de câmaras de segurança, cuja informação fica toda organizada num dashboard. A principal diferença entre elas está na perspetiva da análise, ou seja, se é para ser feita em pessoas individualmente, a nível da cara ou do corpo ou a um grupo de pessoas. Tudo isto sem armazenar informação e eliminando os problemas de privacidade.
 
Como descrevem a proposta de valor de cada produto?
 
O Heptasense Gesture fornece dados relativos ao comportamento de todo o corpo, tais como roubar e tocar/segurar num objeto. Já o Heptasense Face foca-se na cara dos indivíduos, analisando, por exemplo, o reconhecimento do género, da idade e das emoções. A Heptasense Crowd consiste na análise de uma multidão como um único organismo, servindo, por exemplo, para a identificação de motins. Todas as informações podem ser analisadas como um todo, dependendo do local/objetivos do cliente.
01.03.2018