PT | EN

Zmar: negócio sustentável na Zambujeira

Francesca%20zmar

As praias da costa vicentina, as paisagens do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e o famoso festival de Verão que por ali aporta são apenas alguns dos muitos factores de sucesso do projecto de empreendedorismo sustentável que a ANJE dá este mês a conhecer. “Não é um hotel, nem um parque de campismo, é um produto novo e chama-se Zmar”. Quem o diz é Francesca de Mello Breyner, a jovem empreendedora de 27 anos, que se licenciou em Marketing e Comunicação em Nova Iorque e agora imprime todo o seu dinamismo a este negócio alentejano. Certificado como “Eco-Hotel”, o Zmar foi construído e é hoje gerido com base em sustentadas preocupações ambientais, facto justificou o Prémio Green Biz, atribuído pela ANJE. 

 
 Em 2010, 90 mil pessoas passaram pelo Zmar. Composto por 81 hectares, este espaço inclui um hotel, com múltiplas possibilidades de alojamento (casas de madeira, chalets, mobile home, entre outros), um parque de campismo, um spa, um parque aquático e várias áreas equipadas para a prática de desporto e de actividades de aventura. O ZMAR dispõe ainda de um conjunto de valências e estruturas destinadas ao acolhimento de grandes eventos. 
 
Trata-se de “produto turístico hoteleiro, sob a forma de parque de campismo, em moldes totalmente inovadores em relação aos existentes, nomeadamente no que diz respeito à concepção ecológica e de design”, afirma Francesca de Mello Breyner. “Entrar no Zmar é ter acesso a um universo próprio, onde o principal tema é a natureza e a conservação da mesma, mas com todo o conforto e serviços de qualquer outro hotel de cinco estrelas”, completa. 
 
De facto, entre os factores diferenciadores do Zmar, o que mais se evidencia é este respeito pelo meio natural envolvente. De acordo com a empreendedora, o “empreendimento alberga cerca de 3000 pessoas sem se ter colocado um tijolo no chão” (recorde-se que a construção elevada evita a impermeabilização dos solos), “é construído em madeira proveniente de florestas certificadas” e ainda de “plástico reciclado”. 
 
Fazem também parte da estratégia sustentável da empresa processos como a gestão dos consumos de água, a gestão dos consumos de energia (painéis solares, equipamentos de baixo consumo energético) e a gestão de resíduos (reutilização de embalagens, reciclagem). Reunindo um total de 80 ecopontos, o ZMAR reciclou em 2010 mais de 9.000 kg de plástico/metal e mais de 11.000 kg de vidro, números aos quais se juntam os do papel e até do óleo vegetal, usado na produção de biodiesel. De resto, a ETA e ETAR do Zmar tratam, em média, 100 m3cúbicos de água por ano. 
 

Um luxo acessível para todos

“Tudo o que se vê no Zmar é rústico, tudo o que não se vê é high tech”, afirma com entusiasmo a empreendedora. Considerada de interesse nacional, a empresa, em funcionamento desde Julho de 2009, teve um investimento inicial de 25 milhões de euros e emprega hoje perto de 110 pessoas. Na génese da empresa esteve a consciência de que “o planeta não aguenta mais construções pesadas” e também o desejo de “pegar num produto de ‘luxo’ (pois a qualidade das infra-estruturas é altíssima) e torná-lo acessível para todos”, explica Francesca de Mello Breyner. 

 
O Turismo de Portugal, o Turismo do Alentejo, o Salão Imobiliário de Lisboa, a Publituris, a Alan Rogers e o Deutsche Camping Club são algumas das entidades que já premiaram o projecto, como sinal de reconhecimento da sua inovação e qualidade. A ANJE reconheceu a validade empresarial do Zmar com o Prémio Green Biz e a troca de galardões fica patente nas palavras da empreendedora: “uma associação como esta é de forte relevância”. “É preciso motivar e promover os jovens”, acrescenta Francesca de Mello Breyner, acabando por rematar com a certeza de que “a geração vindoura é a cara e o futuro de Portugal”. 
 
09.09.2011