PT | EN

Porto Exit Games: 60 minutos de desafios podem ser a via rápida para construir equipas de sucesso

Portoexitgames
Quem experimenta envolve-se na história do jogo, cresce com os desafios, anseia por uma nova narrativa e passa a palavra. Este tem sido o ciclo da Porto Exit Games desde dezembro de 2014, momento em que o empreendedor em série Joaquim Valente e a antiga médica cirurgiã ortopedista Thais Nomi Valente lançaram a empresa para proporcionar escape games originais e diferentes da oferta disponível à escala mundial. Os grupos de amigos que visitam a empresa associada da ANJE saem da experiência com laços reforçados e as empresas ficam surpreendidas com o poder que um conjunto de desafios resolvidos em equipa e uma missão de evasão em 60 minutos têm na criação de equipas funcionais. A visão do futuro é clara, está a ser preparada há mais de um ano e combina inovação e tecnologia para trazer experiências únicas e valiosas capazes de fomentar o team building. Joaquim Valente, cofundador do projeto, revela os detalhes sobre esta história de pioneirismo.
 
Quais as circunstâncias que motivaram a criação da Porto Exit Games e a aposta neste segmento de mercado?
 
Nós adoramos a nossa cidade, o Porto. Há imensa coisa para se fazer no Porto, mas sentimos que os escape games seriam uma bela adição à oferta da cidade não só para turistas mas também para residentes e empresas locais. Embora a equipa fundadora tenha backgrounds muito distintos, sentimos que era a oportunidade ideal para trabalharmos em conjunto e fazer algo de novo na cidade. Até agora tem sido um sucesso, quer pelo ambiente de trabalho saudável que a empresa tem, quer pelo excelente feedback que os nossos clientes nos deixam pessoalmente e nas plataformas sociais.
 
Quando foi criado o projeto? Pode dizer-se que foi pioneiro na cidade do Porto?
 
A faísca aconteceu na Primavera de 2014 e depois de muita investigação e de deslocações internacionais sentimos que conseguiríamos fazer algo original e com qualidade bem acima daquilo que experimentamos lá fora. Tínhamos de ser melhores do que o state of the art e por isso decidimos deixar de fora a hipótese de franchising, apostando em criar de raiz os nossos próprios jogos das formas mais originais e divertidas possíveis.
 
A verdade é que isso acabou por nos dar o reconhecimento na comunidade nacional e internacional que tanto queríamos. A Porto Exit Games abriu em dezembro de 2014 e desde então tem sido uma excelente aventura, contando com uma equipa fantástica que temos conseguido reunir e que forma uma família que faz a diferença e não passa despercebida a quem nos visita.
 
O que é afinal um escape game?
 
Um escape game é acima de tudo uma aventura intensa. As regras até são simples: reunir uma equipa, resolver dezenas de desafios jogando em conjunto e escapar de um espaço em menos de 60 minutos. No entanto um escape game é muito mais do que isto pois transporta todos os jogadores para uma realidade alternativa em que eles são personagens principais de uma história, uma vez que cada jogo tem uma história e um cenário associados.
 
Os jogadores têm assim de desvendar segredos e dar tudo para conseguirem superar os desafios. Nos nossos jogos levamos as equipas ao limite e por isso garantimos sempre uma experiência exigente mas divertida, em que o trabalho em equipa, a comunicação e a liderança são levados ao extremo. Por todas estas razões o sentimento de conquista é ainda maior. 
 
Quais os fatores fundamentais para a construção de escape games com sucesso? 
 
Há vários ingredientes importantes para se vingar neste segmento, mas vamos apontar três que consideramos os mais relevantes. O primeiro é a equipa. É critico ter uma equipa profissional, curiosa e com competências diversificadas para se construir jogos de qualidade e uma equipa muito motivada e com um espirito alegre bem acima da média para conseguir passar toda a energia positiva dos nossos jogos no contacto com o cliente. Temos muito orgulho na família que temos formado e estamos alinhados e motivados para novos desafios. 
 
O segundo fator é a originalidade. Desde o início que sentimos que não podíamos ser apenas mais uma atividade interessante para se fazer no Porto. Tínhamos de ser uma referência de diversão e de team building na cidade. Isso só se consegue com qualidade e originalidade, pois apenas dessa forma é que as pessoas têm uma experiência inesquecível e partilham organicamente nas suas redes. A criação de jogos originais é um dos pilares do sucesso da nossa empresa, pois mesmo quem já jogou no estrangeiro reconhece a diferença e valoriza-nos por isso.  
 
O terceiro ingrediente fundamental é a gestão. Em qualquer negócio é importante uma gestão profissional e atenta. Neste tipo de negócio essa necessidade é ainda mais premente pois define, em grande parte, o sucesso financeiro e de marketing que a empresa pode ter. Engane-se quem pensa que basta criar um jogo e está feito o negócio e para isso basta ver o que acontece em várias cidades no mundo em que estas empresas simplesmente não sobrevivem face aos custos fixos associados. É necessário ter uma gestão corrente próxima e ir implementando estratégias novas para tirar rentabilidade do negócio.
 
A Porto Exit Games desenha jogos à medida de empresas para ocasiões particulares?
 
Este é sem dúvida um segmento que apostamos bastante e no qual temos tido muito sucesso. As empresas nacionais e internacionais, desde as mais pequenas até às organizações de maior dimensão, escolhem a Porto Exit Games para realizarem as suas atividades de team building pois procuram algo verdadeiramente desafiante e intensivo e que teste as competências de equipa dos seus colaboradores.
 
Os resultados têm sido satisfatórios pois os colaboradores ficam tão entusiasmados com a atividade que recomendam a amigos que trabalham em outras empresas e que por sua vez convencem as chefias a fazerem connosco as suas atividades. Este crescimento orgânico baseado na experiência e no feedback dos nossos clientes tem alavancado o crescimento da empresa.
 
Qual o balanço e as principais aprendizagens que retiram desde a criação da Porto Exit Games até hoje?
 
O balanço é extremamente positivo pois conseguimos criar um produto muito bom, que é recomendado pelos clientes, e uma equipa de trabalho que se dá muito bem e que faz jus aos valores da empresa. Obviamente que o caminho para aqui chegar foi duro e exigiu assumir riscos, dado o elevado investimento financeiro e de tempo na construção dos jogos, tecnologias, recursos humanos e marketing. No entanto podemos agora sorrir quando vemos os nossos jogos como referências europeias em escape games, contando com grupos de amigos e empresas estrangeiras que vêm ao Porto de propósito para jogar os nossos jogos.
 
Breve2
As três semelhanças entre jogadores de escape games e empreendedores
 
A realidade empresarial é transposta em diferentes dimensões para 60 minutos de jogo na Porto Exit Games, seja pelas competências reforçadas, seja pela dinâmica interpessoal que os desafios de cada jogo suscitam. Joaquim Valente, cofundador da Porto Exit Games, identifica várias correspondências entre os perfis do empreendedor e do jogador.
 
Há semelhanças entre o perfil de um jogador de escape games e um empreendedor?
 
A questão é interessante pois há várias semelhanças. Destaco três: a capacidade para lidar com a pressão, a resiliência e o trabalho em equipa. 
 
No que à pressão diz respeito, nos nossos jogos a pressão começa mal inicia o jogo pois os 60 minutos começam logo a contar. O tempo passa depressa para quem está a jogar e os participantes têm de tomar decisões de gestão de tempo e otimização das pessoas e tarefas para tirar o máximo partido dos minutos restantes. Quem inicia um negócio sente na pele esta exigência de aproveitar o tempo, pois a partir do momento que se investe num projeto quer-se rapidamente colocá-lo a lucrar e essa batalha de otimização contra o tempo tem muito a ver com o tipo de pressão que os jogadores sentem. 
 
A resiliência, pois muitos negócios não começam bem e um empreendedor tem de ser resiliente e continuar a lutar até que se faça luz. Na Porto Exit Games é muito isto que se passa em todos os jogos, pois existem momentos de frustração em que os jogadores ficam perdidos e apenas a resiliência permite avançar. Dar a volta por cima é dos aspetos mais gratificantes num negócio e nos nossos jogos também é, aumentando a autoestima das pessoas envolvidas.
 
O trabalho em equipa é também um traço comum. A união faz a força e, para superar a montanha russa de quem inicia uma empresa, é muito importante ter uma equipa de trabalho que se articule em torno de um fim. Na Porto Exit Games temos orgulho no feedback de várias empresas que afirmam que os nossos jogos conseguem de facto criar equipas funcionais em apenas 60 minutos. Quem não joga em equipa não consegue vencer e este drive faz com que se esqueçam muitos formalismos, levando a que se formem naturalmente equipas funcionais e organizadas.
 
Jogos convencem públicos dos 8 aos 80 e futuro já está a ser preparado há 12 meses
 
Questionado sobre o perfil do público-alvo da Porto Exit Games, Joaquim Valente assume que “embora o público-alvo seja predominantemente português, o recente boom de turismo no Porto tem aumentado a percentagem de clientes turistas estrangeiros. As idades vão dos 8 aos 80 anos”. “No entanto, o segmento que nos tem diferenciado mais no mercado é o das empresas que procuram atividades de team building originais e fora da caixa”, conclui o responsável. 
 
O futuro já está a ser preparado há um ano pela equipa da Porto Exit Games. O cofundador Joaquim Valente revela os planos: “Estamos há 12 meses a construir novos jogos com conceitos inovadores a nível mundial e que esperamos que sejam a base para a internacionalização”. “Acreditamos que a inovação é o caminho a seguir e estamos a apostar em tecnologias proprietárias e conceitos de diversão que vão dar muito que falar nos próximos meses. A abertura do novo espaço está para breve”, conclui o empreendedor.
 

BI DOS EMPREENDEDORES

 

Joaquim
 
Joaquim Valente é um serial empreendedor, engenheiro e MBA que trabalhou para grandes empresas em diversos projetos, mas desde 2007 tem criado empresas próprias de base tecnológica. Depois de acelerar algumas das suas startups em Silicon Valley, Nova Iorque e Amesterdão decidiu, em 2015, que gostaria de fixar-se na sua cidade natal do Porto por considerar ser a melhor cidade do mundo para viver. Como tal, a Porto Exit Games tem sido uma das suas principais apostas. 
 
Thais
 
Thais Valente é médica cirurgiã ortopedista e MBA. Trabalhou em vários hospitais de Norte a Sul do país e depressa percebeu que a realidade da gestão no nosso país carece de processos e pessoas com capacidade. Em 2014 decidiu apostar na Porto Exit Games e fazer o shift de carreira em prol de um estilo de vida profissional ainda mais exigente, mas em que os resultados estão diretamente associados ao trabalho de cada um e às equipas funcionais que se conseguem formar e manter.
16.07.2018