PT | EN

Miss Can conquista a 7ª edição do Prémio Nacional de Indústrias Criativas

Industrias-criativas-logo

A produção de latas de conserva de sardinha, cavala e atum com método artesanal e embalagem modernizada valeram à Miss Can a conquista da sétima edição do Prémio Nacional de Indústrias Criativas. A startup concorreu na categoria de Património e Turismo, arrecadou 25 mil euros e vai representar Portugal na Creative Business Cup, em Copenhaga. A competição está agendada para os dias 17 e 18 de novembro e servirá para selecionar o melhor empreendedor do setor a nível mundial.

A Miss Can pretende acrescentar valor à indústria conserveira, “associando um método artesanal (peixe cozido a vapor) à inovação em sabores, na apresentação e na comunicação do produto”. A marca apresenta cinco packs com “roupagem” distinta, sendo que cada um deles apresenta três latas e temperos/receitas intimamente ligados à identidade lusa. Além do petisco, os utilizadores podem conhecer, através da embalagem, os benefícios da conserva adquirida e sugestões gastronómicas para explorar.

A sétima edição do prémio promovido pela Super Bock e Serralves ficou ainda marcada pela atribuição de dois prémios de categoria aos projetos Os Italianos (Arquitetura e Artes Visuais) e Arumis (Música e Artes do Espetáculo). Os Italianos propõem um sistema de reaproveitamento e transformação de garrafas de vidro em copos, enquanto a Arumis visa reconfigurar a experiência dos espetadores da indústria audiovisual ao explorar as sensações olfativas nas salas de espetáculo. No lote de distinções figura ainda a menção à Cross Hands Architecture, projeto de arquitetura contemporânea humanitária com forte componente social.

A Miss Can pode agora aproveitar os 25 mil euros conquistados para desenvolver a sua proposta de valor e acaba de garantir o passaporte para a Creative Business Cup. A startup portuguesa vai competir por uma nova distinção com os projetos selecionados em cada um dos cerca de 50 países participantes.

A ANJE, enquanto entidade parceira do Prémio Nacional de Indústrias Criativas, participou no júri da competição e esteve representada na cerimónia de entrega de prémios que decorreu ontem, no Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, em Lisboa. De resto, Rafael Alves Rocha (responsável pela Unidade de Empreendedorismo da ANJE) entregou o galardão da categoria de Música e Artes do Espetáculo. Desde a sua primeira edição, o concurso já avaliou mais de 1700 candidaturas e apoiou mais de 60 projetos, proporcionando a criação de mais de 350 postos de trabalho. 
16.07.2015